sexta-feira, 14 de dezembro de 2007

Uma palavra sobre o Pentecostalismo

Recentemente, na comunidade do Jonathan Edwards que eu faço parte no orkut houve uma discussão entre o mediador da comunidade e algumas pessoas de igrejas com “doutrinas” pentecostais.

Tudo começou porque o mediador gostaria de passar a comunidade para outras mãos, mas disse que a pessoa que assumisse aquele trabalho não poderia ser pentecostal, pois achava que não era o melhor pra comunidade e também porque não combinava muito com o estilo reformado ou do Jonathan Edwards.

Bem, eu publiquei um post na comunidade em que dou minha opinião sobre o pentecostalismo e sua relação com Jonathan Edwards. Segue então o post:

É interessante perceber que:
1) Não podemos incluir todos os movimentos pentecostais no mesmo saco;

2)Entretanto é necessário observar que estes movimentos tendem a enfatizar muito mais as experiências pessoais do que a própria Palavra de Deus.-Faço das palavras de Lutero as minhas: ''Eu não quero e nem peço experiências nem milagres, contanto que só a palavra me basta"* paráfrase;

3)O avivamento acontecido por (e na época) de Edwards foi um avivamento puritano, acontecido pela pregação única e exclusivamente da palavra, não foram experiências miraculosas nem nada parecido. Quando Edwards pregava (a Palavra), as pessoas se agarravam nas pilastras e pediam pra que o Senhor não as castigassem;

4)Vemos, porém que muitas igrejas tem sido usadas de formas nunca antes vistas. Não quero limitar a Deus quando digo isso, mas creio na revelação progressiva, ou seja, quanto mais as revelações escritas foram formuladas, menos o Senhor se revelou de formas miraculosamente espetaculares (o que não significa que ainda naum ocorram tais manifestações).

5)Somos irmãos em Cristo, frutos da reforma protestante. Lembremo-nos, então dos lemas da reforma: Só a Graça, só a Deus Glória, só Cristo, só Fé e Só as ESCRITURAS.

Conclusão: Para obtermos a πλήρωμα, Pleroma (plenitude) do Espírito, não precisamos falar em línguas, não precisamos estar na unção do pastor fulano, ou do leão.

Precisamos da graça, pois só a graça nos basta!

2 comentários:

Lucas disse...

Legal o texto,
eu creio, que Deus se revela de várias formas e no tempo dele, para Glória dele. Por isso não acho correto esse capitalismo em cima de cura, milagres, dons de língua. Creio que o Espirito de manifesta, e nos faz ver coisas que não entendemos. Mas Deus também é um Deus de silêncio, um Deus que não precisa de Gritos, Línguas, Milagres e Curas para provar o que é. Ele é Deus, o Grande Eu Sou.
Sola Gratia
Abraço

Rodrigo disse...

Muito legal seu blogue, Rafinha! Apesar de parecer ofensivo o critério de escolha do sucessor do administrador da comunidade, faz muito sentido, pois, em si, não é uma ofensa aos pentecostais, mas sim um ato de fidelidade ao pensamento do autor em homenagem a quem foi feita a comunidade. E, no mais, concordo em gênero número e grau!