quarta-feira, 28 de novembro de 2007

Misericórdia x Justiça

Em seu opúsculo “A Soberania de Deus na Salvação” *, Jonathan Edwards faz uma defesa do ato soberano de Deus em entregar a salvação a alguns e não a entregar a outros. Todo esse pensamento é traçado na defesa de tal ato sem prejuízo para a soberania ou para qualquer outro atributo de Deus.

A Misericórdia e a Justiça são comumente atacadas por pessoas que não crêem na salvação como um ato doador de Deus mediante Jesus Cristo. Parafraseando John Owen: A obra de Cristo é o meio usado para obter nossa salvação*. Não são atacadas pelo fato destas pessoas não crerem que Deus é um ser justo e misericordioso, mas sim na concepção de Ele manifesta um para o ato da salvação e o outro é “esquecido” neste momento.

Todos os atributos de Deus são partes únicas de si e que refletem uns nos outros sua completude, sem estes, Deus não é Deus. Edwards, fala: “A Soberania de Deus é Seu direito absoluto e independente de dispor-Se de todas as criaturas de acordo com Sua própria vontade.”. A misericórdia não se manifesta como misericórdia a não ser que se manifeste conjuntamente com todos os outros atributos, entre eles a Justiça divina.

O que mais me intriga é que geralmente quem crê no livre arbítrio, depende muito de uma concepção de justiça humana, ou seja, eqüitativa. Não vemos na Palavra de Deus que sua Justiça é eqüitativa. Ela é perfeita, portanto não é humana. Não podemos tentar encaixar Deus em nossas caixinhas cerebrais.

Isso claramente implica que o Senhor não depende de nada. Surpreende-me o teísmo aberto colocar mais ênfase no aspecto relacional/amoroso de Deus. É incabível pensar que Deus manifesta seus atributos de maneira inconstante e irregular. Os salvos são alvos da graça irresistível do Senhor, manifesta junto com todos os seus atributos.

Que maravilha! Sou salvo! Glórias a Deus, não a mim!

“... para Demonstração de sua justiça neste tempo presente, para que Ele seja justo e justificador daquele que tem fé em Jesus”. Romanos 3.26

*Por quem Cristo morreu? – John Owen, Editora PES.

2 comentários:

ANDRE GUEDES disse...

Fico feliz que esteja gostando da leitura do John Owen. Deus o abençoe! Abraço! André Pet

Josaías disse...

Cuidado, as pessoas também estão fazendo comentários falsos nos blogs!

:P